Um ensaio sobre História Oral: considerações teórico-metodológicas e possibilidades de pesquisa em Educação Matemática

Palavras-chave: História Oral, Narrativa, Metodologia, Pesquisa Qualitativa, Educação Matemática

Resumo

O artigo apresenta considerações teórico-metodológicas acerca da História Oral como abordagem qualitativa de investigação, e tece um breve retrato da atual produção brasileira que, em Educação Matemática, se vale desse método. Para isso, são realçados as concepções e os trabalhos do Grupo de Pesquisa “História Oral e Educação Matemática” (GHOEM).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Baraldi, I. M. (2003). Retraços da Educação Matemática na região de Bauru (SP): uma história em construção. Tese (Doutorado em Educação Matemática) — IGCE, Universidade Estadual de São Paulo, Rio Claro.

Bernardes, Marisa Rezende. (2003). As várias vozes e seus regimes de verdade: um estudo sobre profissionalização (docente?). Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência) — FC, Universidade Estadual Paulista, Bauru.

Bolivar, A. (2002). ‘De nobis ipsis silemus?’: Epistemologia de la investigación biográfico-narrativa em educación. Revista Electrónica de Investigación Educativa, 4(1). Consultado em 05/abril/2005 em http://redie.ens.uabc.mx/vol4no1/contenido-bolivar.html.

Carvalho, J. M. de. (1990). A Formação das Almas: o imaginário da república no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras.

Cohen, J. J. (2002). A cultura dos monstros: sete teses. In Silva, T. T. da. (org.). Pedagogia dos monstros: os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras. Belo Horizonte: Autêntica.

Dunaway, D. K. & Baum, W. K. (ed.). (1996). Oral History — An Interdisciplinary Anthology. New York: Altamira Press.

Gaertner, R. (2004). A matemática escolar em Blumenau (SC) no período de 1889 a 1968: da Neue Deutsche Schule à Fundação Universidade Regional de Blumenau. Tese (Doutorado em Educação Matemática) — IGCE, Universidade Estadual de São Paulo, Rio Claro.

Galetti, I. P. (2004). Educação Matemática e Nova Alta Paulista: orientação para tecer paisagens. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) — Instituto de Geociências e Ciências Exatas, UNESP, Rio Claro.

Garnica, A. V. M. (2005). Escolas, Professores e Caipiras: exercício para um descentramento histórico. USP-São Paulo: Revista Educação e Pesquisa. Volume 31, n. 1, pp. 121–136, Jan./Abr., 2005.

Garnica, A.V.M. (2007). Educação Matemática e Políticas Públicas: currículos, avaliação, livros-didáticos e formação de professores. ANAIS da 30ª. Reunião Anual da ANPED (Associação Nacional de Pesquisa em Educação). Caxambu (MG) — Grupo de Trabalho 19 (Educação Matemática).

Jenkins, K. (2005). A História Repensada. São Paulo: Contexto.

Joutard, P. (1983). Esas voces que nos llegan del pasado. Buenos Aires: Fondo de Cultura Econômica.

Martins, M. E. (2003). Resgate histórico da formação e atuação de professores da escola rural: um estudo no oeste paulista. Monografia (Iniciação Científica). UNESP, Faculdade de Ciências, Bauru.

Pires, R., da C. (2006). A presença de Nicolas Bourbaki na Universidade de São Paulo. Tese (Doutorado em Educação Matemática). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Ricouer, P. (1987). Teoria da Interpretação. Lisboa. Edições 70.

Ricouer, P. (1988). O confl ito das interpretações: ensaios de hermenêutica. Porto: Rés.

Rolkouski, E. (2006). Vidas de Professores de Matemática: (im)possibilidades de leitura. Tese (Doutorado em Educação Matemática). Instituto de Geociências e Ciências Exatas, UNESP, Rio Claro.

Seara, H. F. (2006). Transcriação e perspectivas de trabalho em História Oral In Garnica, A. V. M. (org.). (2006). Mosaico, mapa, memória: ensaios na interface história oral e educação matemática. (CD-ROM). Bauru: Canal 6/e-GHOEM.

Seara, H. F. (2005). Núcleo e Difusão do Ensino da Matemática — NEDEM — “Não é Difícil Ensinar Matemática” — História Oral Temática. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática). Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Silva, H. da. (2007). Centro de Educação Matemática: fragmentos de identidade. Tese (Doutorado em Educação Matemática) — Instituto de Geociências e Ciências Exatas, UNESP, Rio Claro.

Silva, R. V. da. (2004). Identidade Cultural do Professor de Matemática a partir de depoimentos (1950–2000). Tese (Doutorado em Educação Matemática) — Instituto de Geociências e Ciências Exatas, UNESP, Rio Claro.

Souza, G. L. D. (1999). Três décadas de educação matemática: um Estudo de caso da Baixada Santista no período de 1953–1980. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática). IGCE — Universidade Estadual Paulista, Rio Claro.

Souza, G. L. D. (2005). Educação Matemática na CENP: um estudo histórico das condições institucionais e produção cultural por parte de uma comunidade de prática. Tese (Doutorado em Educação Matemática). FE, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Souza, R. F. de. (1998). Templos de civilização: a escola primária graduada no Estado de São Paulo (1890–1910). São Paulo: Editora UNESP.

Thompson, P. (1992). A voz do passado: história oral. Rio de janeiro: Paz e Terra. (primeira edição — original — de 1978).

Tuchapesk, M. (2004). O Movimento das Tendências na Relação — Escola–Família–Matemática. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática). UNESP-Rio Claro.

Publicado
2007-12-30
Como Citar
Garnica, A. (2007). Um ensaio sobre História Oral: considerações teórico-metodológicas e possibilidades de pesquisa em Educação Matemática. Quadrante, 16(2), 27-50. Obtido de https://quadrante.apm.pt/index.php/quadrante/article/view/172
Secção
Artigos