O pensamento algébrico na aprendizagem da Matemática nos primeiros anos

Palavras-chave: pensamento algébrico, aritmética generalizada, pensamento funcional, tarefas com potencial algébrico, representações múltiplas, papel do professor

Resumo

Este artigo discute o conceito de pensamento algébrico, analisando aspectos essenciais que o caracterizam e duas das suas principais vertentes: a aritmética generalizada e o pensamento funcional.  De seguida, identifica o lugar do pensamento algébrico nas actuais orientações curriculares em Matemática para os primeiros anos, com particular incidência no novo programa de Matemática do ensino básico português.

Por último, equaciona três aspectos a observar com vista ao desenvolvimento do pensamento algébrico na sala de aula: as tarefas e as características que lhe conferem potencial algébrico; as representações matemáticas convencionais e não convencionais, que constituem recursos para raciocínio algébrico e sua expressão por parte dos alunos; e o papel do professor, que deve criar uma cultura de sala de aula adequada à discussão e confronto de ideias, à argumentação e à construção colectiva de generalizações matemáticas. O artigo apoia-se na investigação recente de referência no domínio do pensamento algébrico, ilustrada com episódios de sala de aula de 1.º e 2.º ciclos recolhidos em 2006/2007 e 2007/2008.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alvarenga, D., & Vale, I. (2007). A exploração de problemas de padrão: Um contributo para o desenvolvimento do pensamento algébrico. Quadrante, Vol. XVI (1), 27–55.

Blanton, M. & Kaput, J. (2005). Characterizing a classroom practice that promotes algebraic reasoning. Journal for Research in Mathematics Education, 36(5), 412–446.

Blanton, M., & Kaput, J. (2008). Building disctrict capacity for teacher development in algebraic reasoning. In J. Kaput, D. Carraher, & M. Blanton (Eds.), Algebra in the Early Grades (pp. 133–160). New York: Lawrence Erlbaum Associates.

Boavida, A., Paiva, A., Cebola, G., Vale, I., Pimentel, T. (2008). A experiência matemática no ensino básico. Lisboa: ME/DGIDC.

Branco, N. (2008). O estudo de padrões e regularidades no desenvolvimento do pensamento algébrico (tese de mestrado). Lisboa: DEFCUL.

Brocardo, J., Serrazina, L., & Rocha, I. (Orgs.) (2008). O sentido do número — reflexões que entrecruzam teoria e prática. Lisboa: Escolar Editora.

Carraher, D., & Schliemann, A. (2007). Early algebra and algebraic reasoning. In F. K. Lester (Ed.) Second Handbook of Research on Mathematics Teaching and Learning (pp. 669–705). Charlotte, NC: NCTM & Information Age Publishing.

Carraher, D., Schliemann, A., & Schwartz, J. (2008). Early Algebra is not the same as Algebra early. In J. Kaput, D. Carraher, & M. Blanton (Eds.), Algebra in the Early Grades (pp. 235–274). New York: Lawrence Erlbaum Associates.

Cusi, A. & Malara, N. (2007). Approaching Early Algebra: Teachers’ educational processes and classroom experiences. Quadrante, XVI(1), 57–80.

Diezman, C & English, L. (2001). Promoting the use of diagrams as tools for thinking. In A. Cuoco & F. Curcio (Eds.), Th e roles of representation in School Mathematics (pp. 77–89). Reston, VA.: NCTM.

Dolk, M. (2008). Problemas realistas: um ponto de partida para uma sequência de oportunidades de aprendizagem. In J. Brocardo, Serrazina, L., Rocha, I. (Orgs.), O sentido do número — reflexões que entrecruzam teoria e prática (pp. 35–53). Lisboa: Escolar Editora.

Kaput, J. (1999). Teaching and learning a new Algebra with understanding. (consultado em 10 de Setembro de 2008 em http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/jponte/DA/DA-TEXTOS/Kaput_99AlgUnd.pdf)

Kaput, J. (2008). What is algebra? What is algebraic reasoning? In J. Kaput, D. Carraher, & M. Blanton (Eds.), Algebra in the Early Grades (pp. 5–17). New York: Lawrence Erlbaum Associates.

Kaput, J., Blanton, M., & Moreno, L. (2008). Algebra from a symbolization point of view. In J. Kaput, D. Carraher, & M. Blanton (Eds.), Algebra in the Early Grades (pp. 133–160). New York: Lawrence Erlbaum Associates.

Kaput, J., Carraher, D., & Blanton, M. (Eds.) (2008). Algebra in the Early Grades. New York: Lawrence Erlbaum Associates.

Kieran, C. (2007a). Developing algebraic reasoning: The role of sequenced tasks and teacher questions from the primary to the early secondary school levels. Quadrante, XVI(1), 5–26.

Kieran, C. (2007b). What do we know about the teaching and learning of Algebra in the elementary grades? (consultado em 14 de Agosto de 2008 em www.nctm.org/uploadedFiles/Research_News_and_Advocacy/Research/Clips_and_Briefs/research%20brief%2007%20early%20algebra.pdf).

Kraemer, J-M. (2008). Desenvolvendo o sentido do número: Cinco princípios para planificar. In J. Brocardo, Serrazina, L., Rocha, I. (Orgs.), O sentido do número — refl exões que entrecruzam teoria e prática (pp. 3–28). Lisboa: Escolar Editora.

ME-DEB (2001). Currículo nacional do ensino básico — competências essenciais. Lisboa: ME/DEB.

ME-DGEBS (1990/2004). Programa do 1.º ciclo do ensino básico. Lisboa: Ministério da Educação, Direcção-Geral do Ensino Básico e Secundário.

ME-DGEBS (1991). Programa de Matemática: Plano de organização do ensino-aprendizagem (2.º ciclo do ensino básico). Lisboa: Ministério da Educação, Direcção-Geral do Ensino Básico e Secundário.

NCTM (1994). Normas profissionais para o ensino da Matemática. Lisboa: APM e IIE.

NCTM (2000). Principles and standards for school mathematics. Reston, VA: NCTM.

NCTM (2007). Princípios e Normas para a Matemática Escolar. (Tradução portuguesa dos Principles and Standards for School Mathematics). Lisboa: APM.

Ponte, J. P. (2006). Números e Álgebra no currículo escolar. In I. Vale, T. Pimentel, A. Barbosa, L. Fonseca, L. Santos, & A. P. Canavarro (Orgs.), Números e Álgebra na Aprendizagem da Matemática e na Formação de Professores (pp. 5–27). Porto: SEM/SPCE.

Ponte, J. P., Serrazina, L., Guimarães, H. M., Breda, A., Guimarães, F., Sousa, H., Menezes, L., Martins, M. E., & Oliveira, P. (2007). Programa de Matemática do Ensino Básico. Lisboa: Ministério da Educação/DGIDC.

Schliemann, A. D., Carraher, D. W., & Brizuela, B. M. (2007). Bringing out the algebraic character of arithmetic: From children’s ideas to classroom practice. Mahwah, New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates.

Sfard, A., & Linchevski, L. (1994). The gains and pitfalls of reification — the case of Algebra. Educational Studies in Mathematics, 26, 191–228.

Smith, E. (2003). Stasis and Change: Integrating Patterns, Functions, and Algebra throughout the K12 Curriculum. In J. Kilpatrick, W. G. Martin, & D. Schiifter (Eds.), A Research Companion to Principles and Standards for School Mathematics (pp. 136–150). Reston: NCTM.

Smith, E. (2008). Representational thinking as a framework for introducing functions in the elementary curriculum. In J. Kaput, D. Carraher, & M. Blanton (Eds.), Algebra in the Early Grades (pp. 19–56). New York: Lawrence Erlbaum Associates.

Vale, I., Palhares, P., Cabrita, I. & Borralho, A. (2006). Os padrões no ensino-aprendizagem da Álgebra. Em I. Vale, T. Pimentel, A. Barbosa, L. Fonseca, L. Santos, & P. Canavarro (Orgs.), Números e Álgebra na aprendizagem da Matemática e na formação de professores (pp. 193–213). Lisboa: SPCE — Secção de Educação Matemática.

Verschaff el, L., Greer, B., & De Corte, E. (2007). Whole number concepts and operations. In F. K. Lester (Ed.) Second Handbook of Research on Mathematics Teaching and Learning (pp. 557–628). Charlotte, NC: NCTM & Information Age Publishing.

Warren, E., & Cooper, T. (2007). Generalizing the pattern rule for visual growth patterns: Actions that support 8-year-olds’ thinking. Educational Studies in Mathematics, 67(2), 171–185.

Publicado
2007-12-30
Como Citar
Canavarro, A. P. (2007). O pensamento algébrico na aprendizagem da Matemática nos primeiros anos. Quadrante, 16(2), 81-118. Obtido de https://quadrante.apm.pt/index.php/quadrante/article/view/174
Secção
Artigos