A relação dialógico-comunicativa gerada pela insubordinação criativa na educação estatística de crianças

Autores

Palavras-chave:

insubordinação criativa, estatística, relação dialógico-comunicativa, resolução de problemas, infância

Resumo

Este artigo decorre de uma pesquisa (auto)biográfica do tipo pesquisa-formação que utiliza narrativas autobiográficas orais, escritas e áudio-gravadas, com o objetivo de investigar a relação dialógico-comunicativa gerada pela insubordinação criativa na resolução de problemas em estatística na infância. Para tanto, delineou-se a seguinte questão de central: Como o diálogo e a comunicação dos alunos, ao resolverem problemas em estatística, são provocados pela insubor­dinação criativa? Para respondê-la, considerou-se uma turma de crianças de 6-7 anos (2.° ano do Ensino Fundamental), que, por meio da metodologia de Projetos de Classe, colocaram-se perante situações reais que vivem fora da escola, com a finalidade de constatar possíveis adversidades, analisar, chegar a conclusões e propor soluções. Estabelece-se a relação dialógico-comunicativa a partir de ações de insubordinação criativa, expressas pelos alunos, quando o discurso da sala de aula se torna interativo e proporciona uma construção colaborativa do conhecimento estatístico. Os resultados evidenciam que as crianças, quando provocadas por problematizações reais, apresentam ações de insubordinação criativa as quais requerem o diálogo e a comunicação para chegar a conclusões e novos questionamentos. Amplia-se, então, o desenvolvimento do pensamento crítico e da reflexividade narrativa das crianças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abrantes, P. (1994). O trabalho de projecto e a relação dos alunos com a matemática: a experiência do Projecto MAT789. Lisboa: Associação de Professores de Matemática.

Alencar, E., Braga, N., & Marinho, C. (2016). Como desenvolver o potencial criador. Rio de Janeiro: Vozes.

Brasil (2010). Construindo a Política Nacional dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes e o Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes. 2011–2020. Secretaria de Direitos Humanos. Recuperado de https://www.sds.sc.gov.br/index.php/conselhos/cedca/plano-decenal-dos-direitos-da-crianca-e-do-adolescente/696-politica-plano-decenal-de-consulta-publica/file

Curcio, F. R. (1989). Developing graph comprehension: Elementary and middle school activities. Reston, VA: National Council of Teachers of Mathematics.

D’Ambrosio, B. S. (2009). Prefácio. In C. E. Lopes, & A. M. Nacarato (Eds.), Educação Matemática, leitura e escrita: armadilhas, utopias e realidade (pp. 9-17). Campinas: Mercado de Letras.

D’Ambrosio, B. S. (2015). Insubordinação criativa: um convite à reinvenção do educador matemático. Bolema, 29(51), 1-17.

D’Ambrosio, B. S., & Lopes, C. E. (2014). Trajetórias profissionais de educadoras matemáticas. Campinas: Mercado de Letras.

Egan, K. (2005). Narrativas y aprendizaje: Una travesía de inferencias. In K. Egan, & H. McEwan (Eds.), La narrativa en la enseñanza, el aprendizaje y la investigación (pp.169-180). Buenos Aires: Amorrortu.

Fisher, R. (2013). Diálogo creativo: Hablar para pensar en el aula. Madrid: Morata.

Franklin, C., Kader, G., Newborn, D., Moreno, Peck, R., J. Perry, M., & Scheaffer, R. (2007). Guidelines for assessment and instruction in statistics education (GAISE) report: a Pre-k–12 curriculum framework. American Statistical Association. Recuperado de http://www.amstat.org/education/gaise/

Freire, P. (1993). Professora sim, tia não. São Paulo: Olho d’Água.

Freire, P. (2015). Pedagogia da autonomia (52.ª ed.). São Paulo: Paz & Terra.

Freire, P. (2016). Pedagogia do oprimido (62.ª ed.). Rio de Janeiro: Paz & Terra.

Freire, P. (2018). Extensão ou comunicação? (19.ª ed.). Rio de Janeiro: Paz & Terra.

Gutiérrez, R. (2013). Mathematics teachers using creative insubordination to advocate for student understanding and robust mathematical identities. In M. Martinez, & A. Castro Superfine (Eds.), Proceedings of the 35th annual meeting of the North American Chapter of the International Group for the Psychology of Mathematics Education (pp. 1248-1251). Chicago, IL: University of Illinois at Chicago.

Halpern, D. F. (1989). Thought and knowledge: An introduction to critical thinking. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates.

Haynes, E., & Licata, J. W. (1995). Creative insubordination of school principals and the legitimacy of the justifiable. Journal of Educational Administration, 33(4), 21-35.

Haroutunian-Gordon, S. (2005). El papel da la narrativa en la discusión interpretativa. In K. Egan, & H. McEwan (Eds.), La narrativa en la enseñanza, el aprendizaje y la investigación (pp.150-168). Buenos Aires: Amorrortu.

Josso, M.-C. (2007). A transformação de si a partir da narração de histórias de vida. Educação, 30(3), 413-438.

Keedy, J. L. (1992). Creative insubordination: Autonomy for school improvement by successful high school principals. The High School Journal, 76(1), 17-23.

Lopes, C. E. (2008). Reflexões teórico-metodológicas para a Educação Estatística. In C. E. Lopes, & E. Curi (Eds.), Pesquisas em Educação Matemática: um encontro entre a teoria e a prática (pp. 67-86). São Carlos/SP: Pedro & João Editores.

Lopes, C. E. (2011). A estocástica no currículo de matemática e a resolução de problemas. In Anais do Seminário em Resolução de Problemas - SERP (vol. 1, pp. 1-10). Rio Claro: UNESP.

Lopes, C. E. (2012). A Educação Estocástica na Infância. Revista Eletrônica de Educação, 6(1), 160-174.

Lopes, C. E. (2017). Insubordinação criativa. Entrevista PNAIC, UFSCar. Recuperado de https://www.youtube.com/watch?v=G_26dR8WR8w

Lopes, C. E. (2018, novembro). A insubordinação criativa e o educador matemático. Palestra em 4 Diálogos da matemática. Seminário de pesquisa, Ceará: UFC. https://www.youtube.com/watch?v=WJAGgPfJPr8&feature=youtu.be

Lopes, C. E., & D’Ambrosio (2015a). Perspectivas para a educação estatística de futuros educadores matemáticos de infância. In S. Samá, & M. P. M. Silva (Eds.), Educação estatística: ações e estra¬¬tégias pedagógicas no Ensino Básico e Superior (pp.17-27). Curitiba: CRV.

Lopes, C. E., & D’Ambrosio, B. S. (2015b). A insubordinação criativa para o letramento matemático na infância. In M. G. B. Maia, & G. F. Brião (Orgs.), Alfabetização matemática – Perspectivas atuais (pp. 83-93). Curitiba: CRV.

Morris, V. C., Crowson, R. L., Hurwitz Jr., E., & Porter-Gehrie, C. (1981). The urban principal. Discretionary decision-making in a large educational organization. Recuperado de http://eric.ed.gov/?id=ED207178

Passeggi, M. C., Furlanetto, E. C., Conti, L., Chaves, I. E. M. B., Gomes M. O., Gabriel, G. L., & Rocha, S. M. (2014, janeiro/abril). Narrativas de crianças sobre as escolas da infância: cenários e desafios da pesquisa (auto)biográfica. Educação, 39(1), 85-104.

Passeggi, M. C., Nascimento, G., & Oliveira, R. (2016). As narrativas autobiográficas como fonte e método de pesquisa qualitativa em Educação. Revista Lusófona de Educação, 33, 115.

Passeggi, M. C., Nascimento, G., & Rodrigues, S. (2018). Narrativas de crianças sobre a escola: desafio das análises. Revista Lusófona de Educação, 40, 155-169.

Roche, K. (1999). Moral and ethical dilemmas in Catholic school settings. In P.T. Begley (Ed.), Values and educational leadership (pp. 255-272). Albany, NY: SUNY Press.

Vigotsky, L. S. (2014). Imaginação e criatividade na infância. São Paulo, SP: WMF Martins Fontes.

Downloads

Publicado

2020-12-29

Como Citar

Corrêa, S., & Lopes, C. (2020). A relação dialógico-comunicativa gerada pela insubordinação criativa na educação estatística de crianças. Quadrante, 29(2), 86–108. Obtido de https://quadrante.apm.pt/index.php/quadrante/article/view/498

Edição

Secção

Vol. 29, n. 2 (2020): Comunicação no ensino e aprendizagem da Matemática