Discursos em interações comunicativas em aulas de matemática e o desenvolvimento da criatividade compartilhada

Autores

Palavras-chave:

criatividade em matemática, criatividade compartilhada em matemática, discurso, comunicação em matemática, relações de poder

Resumo

Nas salas de aula, as interações comunicativas mostram-se atravessadas por relações assimétricas de poder que podem comprometer a participação dos estudantes nas atividades escolares, o progresso das aprendizagens e o desenvolvimento do seu potencial criativo. Assim, objetiva-se com este estudo analisar como configurações de interações comunicativas (estabelecidas no trabalho individual, em grupo sem mediação de poder e em grupo com mediação de poder) influenciam o desenvolvimento da criatividade compartilhada, em matemática, de alunos brasileiros do quinto ano do ensino fundamental. Apoiando-nos nas teorias da cognição compartilhada, da criatividade distribuída e da análise crítica do discurso, verificamos, por meio de metodologia mista, que os grupos apresentaram níveis mais elevados de criatividade nas formas de trabalho em grupo. Ressalta-se que, com mediação de poder, ocorreu qualificação das produções matemáticas, sendo apresentadas ideias mais originais. Além disso, as poucas interações comunicativas durante as aulas e a produção de barreiras para a criatividade compartilhada em matemática resultaram em situações desfavoráveis para a aprendizagem efetiva de todos. Essa situação foi superada quando os alunos foram submetidos à Metodologia de Compartilhamento Criativo. Mostra-se, então, a importância da atividade docente para o desenvolvimento da criatividade compartilhada dos alunos, promovendo interações comunicativas que oportunizem a aprendizagem e produção criativa em matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Arendt, H. (2005). Entre o passado e o futuro (5.ª ed.). São Paulo: Perspectiva.

Assis, A., Frade, C., & Godino, J. D. (2013). Influência dos padrões de interação didática no desenvolvimento da aprendizagem matemática: Análise de uma atividade exploratório-investigativa sobre sequências. Boletim de Educação Matemática, 27(47), 733-758.

Bauersfeld, H. (1988). Interaction, construction, and knowledge: Alternative perspectives for mathematics education. In D. Grouws, T. Cooney, & D. Jones (Eds), Perspectives on research on effective mathematics teaching (pp. 27-46). Reston, VA: NCTM.

Beghetto, R. A. (2010). Creativity in the classroom. In J. C. Kaufman, & R. J. Sternberg (Eds.), The Cambridge handbook of creativity (pp. 441-463). New York: Cambridge University Press.

Bishop, A., & Goffree, F. (1986). Classroom organization and dynamics. In B. Christiansen, A. Howson, & M. Otte (Eds.), Perspectives on mathematics education (pp. 309-365). Dordrecht: D. Reidel.

Carneiro, V. C. G. (2000). Educação Matemática no Brasil: Uma meta-investigação. Qua¬¬dran¬¬¬¬te, 9(1), 117-140.

Carvalho. A. T. (2019). Criatividade compartilhada em matemática: Do ato isolado ao ato solidário (Tese de doutoramento). Faculdade de Educação da Universidade de Brasília, Brasília.

D’Ambrosio, U. (2011). Etno Matemática – elo entre as tradições e modernidade (4.ª ed.). Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Fairclough, N. (2001). Discurso e mudança social. Brasília: Universidade de Brasília.

Glăveanu, V. P. (2014). Distributed creativity: Thinking outside the box of the creative individual. Londres: Springer.

Gontijo, C. H. (2007). Relações entre criatividade, criatividade em Matemática e motivação em Matemática de alunos do ensino médio (Tese de Doutoramento). Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília, Brasília.

Guastello, S. J. (2007). How leaders really emerge. American Psychologist, 62(6), 606-607.

Guerreiro, A. M. C. (2011). Comunicação no ensino-aprendizagem da matemática: Práticas no 1.º ciclo do ensino básico (Tese de doutoramento). Universidade de Lisboa, Lisboa.

Guerreiro, A., Tomás Ferreira, R. A. T., Menezes, L., & Martinho, M. H. (2015). Comunicação na sala de aula: A perspectiva do ensino exploratório da matemática. Zetetiké, 23(44), 279-295.

Guo, J., Dilley, E., & Gonzales, R. (2016). Creativity and leadership in organizations: A literature review. Creativity. Theories – Research – Applications, 3(1), 127-151.

Kozlowski, S. W. J., & Klein, K. J. (2000). A multilevel approach to theory and research in organizations: Contextual, temporal, and emergent processes. In K. J. Klein, & S. W. J. Kozlowski (Eds.), Multilevel theory, research and methods in organizations: Foundations, extensions, and new directions (pp. 3-90). San Francisco, CA: Jossey-Bass.

Leikin, R. (2017). Developing mathematical creativity and expertise in students and teachers: Focusing on multiple solution and investigation tasks. In D. Pitta-Pantazi (Ed.), The 10th Mathematical Creativity and Giftedness International Conference (pp. 7-16). Nicosia, Cyprus: Department of Education, University of Cyprus.

Libâneo, J. C. (2012). Didática. São Paulo: Cortez.

Mann, E. L. (2005). Mathematical creativity and school mathematics: Indicators of

mathematical creativity in middle school students (Tese de Doutoramento). University of Connecticut, Connecticut.

Menezes, L., Tomás Ferreira, R., Martinho, M. H., & Guerreiro, A. (2014). Comunicação nas práticas letivas dos professores de Matemática. In J. P. Ponte (Ed.), Práticas profissionais dos professores de matemática (pp. 135-161). Lisboa: Instituto de Educação.

Osborn, A. F. (1963). Applied imagination (3.ª ed.). New York: Scribner’s.

Otaviano, A. B. N. (2009). Percepção de alunos do ensino médio quanto ao estímulo à criatividade por seus professores e motivação em Matemática (Dissertação de Mestrado). Universidade Católica de Brasília, Brasília.

Pelczer, I. (2008, julho). Problem posing in the classroom and its relation to mathematical creativity and giftedness. Paper presented at the 11th International Congress on Mathematics Edu¬-cation, Monterrey, Mexico.

Ramalho, V., & Resende V. D. M. (2011). Análise de discurso (para a) crítica: O texto como material. Campinas: Pontes Editores.

Rodrigues, C., Menezes, L., & Ponte, J. P. (2018). Práticas de discussão em sala de aula de Matemática: Os casos de dois professores. Bolema, 32(61), 398-418.

Sawyer, K. (2007). Group Genious: The creative power of collaboration. New York: Basic Books.

Sierpinska, A. (1998). Three epistemologies, three views of classroom communication: Constructi¬-vism, sociocultural approaches, interactionism. In H. Steinbring, M. G. B. Bussi, & A. Sierpinska (Eds.), Language and communication in the mathematics classroom (pp. 30-62). Reston, VA: NCTM.

Silveira, M. R. A. (2002). “Matemática é difícil”: Um sentido pré-construído. In Reunião Anual da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Educação, Caxambu. Recuperado de http://25reuniao.anped.org.br/tp251.htm#gt19

Swaab, R., Postmes, T., Beest, I., & Spears, R. (2007). Shared cognition as a product of, and precursor to, shared identity in negotiations. Personality and Social Psychology Bulletin, 33, 187-199.

Tierney, P., Farmer, S. M., & Graen, G. B. (1999). An examination of leadership and employee creativity: The relevance of traits and relationships. Personnel Psychology, 52, 591-620.

Van den Bossche, P., Gijselaers W., Segers M., Woltjer G., & Kirschner P. (2011). Team learning: Building shared mental models. Instructional Sciences, 39(3), 283-301.

Van Dijk, T. (2015). Discurso e poder (2.ª ed.). São Paulo: Contexto.

Vale, I., & Pimentel, T. (2012). Um novo-velho desafio: Da resolução de problemas à criatividade em matemática. In A. P. Canavarro, L. Santos, A. M. Boavida, H. Oliveira, L. Menezes, & S. Carreira (Eds.), Investigação em Educação Matemática 2012: Práticas de ensino da matemática (pp. 347-360). Portalegre: SPIEM.

Veiga, I. P. A. (2004). Ensino e avaliação: Uma relação intrínseca à organização do trabalho pedagógico. In I. P. A. Veiga (Ed.), Didática: O ensino e suas relações (pp. 149-169). Campinas, SP: Papirus.

Downloads

Publicado

2020-12-29

Como Citar

Tolentino de Carvalho, A., & Hércules Gontijo, C. (2020). Discursos em interações comunicativas em aulas de matemática e o desenvolvimento da criatividade compartilhada. Quadrante, 29(2), 109–131. Obtido de https://quadrante.apm.pt/index.php/quadrante/article/view/510

Edição

Secção

Vol. 29, n. 2 (2020): Comunicação no ensino e aprendizagem da Matemática