Comunicação na sala de aula do PROFMAT e os princípios que regulam as produções textuais

Autores

Palavras-chave:

formação continuada, mestrado profissional, comunicação, sala de aula, matemática

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar como os princípios do discurso pedagógico do Programa de Mestrado Profissional em Rede Nacional em Matemática (PROFMAT) regulam as pro­duções textuais, dando especial atenção à comunicação que se desenvolve em sala de aula. Para tanto, mobilizamos algumas ferramentas conceituais propostas por Basil Bernstein. O estudo seguiu uma abordagem qualitativa, operacionalizada por meio da observação de aulas de três disciplinas do PROFMAT, as quais nos deram indícios dos padrões de comunicação presentes no curso de formação. Para analisar os dados, usamos como postura metodológica a linguagem de descrição em investigação sociológica de Basil Bernstein. Tomamos como referência o ‘que’ e o ‘como’ a comuni­cação era mobilizada para construir nossa análise que foi retroalimentada pela teoria e pela empiria. Os resultados indicam que há a necessidade de refletirmos sobre as formas de comunicação que são instauradas em salas de aula do PROFMAT de forma a contemplar demandas advindas da matemática escolar. Isto não significa que o Programa deve se restringir aos textos que já circulam no contexto escolar, mas que deve tomá-los como ponto de partida para problematização e ampliação, sem perder a vinculação com o saber-fazer na Educação Básica. Para isso, faz-se necessário considerar a comunicação colaborativa e transversal no contexto de formação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Adler, P. A., & Adler, P. (1994). Observational techniques. In N. K. Denzin, & Y. S. Lincoln (Eds.), Handbook of qualitative research (pp. 377-392). Thousand Oaks, CA: Sage.

Bastos, P. N. (2018). Comunicação, interação e engajamento: Fronteiras epistemológicas e alcances político. Anais do 4.º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (Vol. 1, pp. 1095-1110), Joinville, Santa Catarina, Brasil. Recuperado de http://www.intercom.org.br/sis/eventos/2018/resumos/R13-1095-1.pdf

Bernstein, B. (2003). Class, codes and control: The structuring of pedagogic discourse. London: Routledge Taylor & Francis Group.

Bernstein, B. (2000). Pedagogy, symbolic control and identify: Theory, research, critique. Lanham: Rowman & Littlefield.

Bernstein, B. (1996). Pedagogía, control simbólico e identidad: Teoria, investigación y critica (traduzido do inglês). Madrid: Morata.

Breda, A., & Lima, V. M. do R. (2017). Estudio de caso sobre el análisis didáctico realizado en un trabajo final de un máster para profesores de matemáticas en servicio. Journal of Research in Mathematics Education, 5(1), 74-103.

Caldatto, M. E., Pavanello, R. M., & Fiorentini, D. (2016). O PROFMAT e a formação do professor de matemática: Uma análise curricular a partir de uma perspectiva processual e descentralizadora. Bolema, 30(56), 906-925.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) (2017). PROFMAT: Uma reflexão e alguns resultados. Rio de Janeiro, RJ.

Creswell, J. W. (2007). Qualitative inquiry and research design: Choosing among five approaches. (2.ª ed.). Thousand Oaks, CA: Sage.

Cyrino, M. C. C. T., Garcia, T. M. R., Oliveira, L. M. C. P., & Rocha, M. R. (2014) (Org.). Formação de professores em comunidades de prática: Frações e raciocínio proporcional. Londrina, Brasil: Universidade Estadual de Londrina.

Diniz-Pereira, J. (2010). Formação continuada de professores. In D. A. Oliveira, A. C. Duarte & L. F. Vieira (Eds.), Dicionário de trabalho, profissão e condição docente (pp. 20-33). Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.

Domingues, C., & Martinho, M. H. (2014). Ações do professor na construção coletiva de um argumento genérico numa turma do 9.º ano. In J. P. Ponte (Org.), Práticas profissionais dos professores de matemática (pp. 183-213). Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.

Farias, J. V., & Vilela, D. S. (2017). O curso de mestrado profissional em matemática em rede nacional à luz da teoria de Bourdieu: Tensões entre matemática acadêmica e matemática escolar. Revista Educação, 22(1), 109-129.

Fiorentini, D., & Crecci, V. (2013). Desenvolvimento profissional docente: um termo guarda-chuva ou um novo sentido à formação? Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, 5(8), 11-23.

Freire, P. (2006). Extensão ou comunicação? São Paulo, SP: Paz e Terra.

Gatti, B. (2008). Análise das políticas públicas para formação continuada no Brasil, na última década. Revista Brasileira de Educação, 13(37), 57-186.

Guerreiro, A., Ferreira, R. A. T., Menezes, L., & Martinho, M. H. (2015). Comunicação na sala de aula: A perspectiva do ensino exploratório da matemática. Zetetiké, 23(44), 279-295.

Jupp, V. (2006). The Sage dictionary of social research methods. Thousand Oaks: Sage.

Mattelart, A., & Mattelart, M. (2011). História das teorias das comunicações (14ª ed.). São Paulo: Loyola.

Ministério da Educação (2014). Planejando a próxima década: Conhecendo as 20 metas do Plano Nacional de Educação. Brasília, DF: Secretaria de Articulação com os Sistemas de Ensino. Recuperado de http://pne.mec.gov.br/images/pdf/pne_conhecendo_20_metas.pdf

Menezes, L., Ferreira, R., Martinho, M. H., & Guerreiro, A. (2014). Comunicação nas práticas letivas dos professores de Matemática. In J. P. Ponte (Org.), Práticas profissionais dos professores de matemática (pp. 135-161). Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.

Morais. A. M, & Neves. P. N. (2007). A teoria de Basil Bernstein: Alguns aspectos fundamentais. Práxis Educativa, 2(2), 115-130.

Nacarato, A. M (2016). A parceria universidade-escola: Utopia ou possibilidade de formação continuada no âmbito das políticas públicas? Revista Brasileira de Educação, 21(66), 699-716.

Neto, S. C. G., & Gouveia, C. T. G. (2015). Diálogo e aprendizagem em Educação Matemática: Um olhar sobre a obra de Alro e Skovsmose. Revista Multidisciplinar em Educação, 2(3), 159-166.

Quaresma, M., & Ponte, J. P. (2014). A comunicação na sala de aula numa abordagem exploratória no 5.º ano. In J. P. Ponte (Org.), Práticas profissionais dos professores de matemática (pp. 165-182). Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.

Planas, N., Morgan, C., & Schütte, M. (2018). Mathematics education and language: Lessons and directions from two decades of research. In T. Dreyfus, M. Artigue, D. Potari, S. Prediger, & K. Ruthven (Eds.), Developing research in mathematics education. Twenty years of communication, cooperation and collaboration in Europe (pp. 196-210). New York: Routledge.

Prada, E. A., Freitas, T. C., & Freitas, C. (2010). A. formação continuada de professores: Alguns conceitos, interesses, necessidades e propostas. Revista Diálogo Educação, 10(30), 367-387.

Sociedade Brasileira de Matemática (SBM) (2016). Regimento do Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional - PROFMAT. Rio de Janeiro, RJ: SBM.

Ribeiro, F. P. (2013). Paulo Freire na comunicação e os meios de “comunicados”. Rizoma, 1(2), 78-91.

Santana, F. C. de M., Grilo, J. P., & Barbosa, J. C. (2018). Tensões entre os textos movidos da matemática escolar e o discurso pedagógico do PROFMAT. In Anais do 7.º Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática. Foz do Iguaçu, PR, Brasil.

Santana, F. C. de M., & Barbosa, J. C. (2018). As relações pedagógicas em um trabalho colaborativo envolvendo professores de matemática: Do conflito à gestão. In M. C. de C. T. Cyrino (Org.), Temáticas emergentes de pesquisas sobre a formação de professores que ensinam matemática (pp. 19-42). Brasília: SBEM.

Torisu, E. M. (2014). Diálogo em sala de aula de Matemática: Uma forma de comunicação na cooperação investigativa. In Anais do I Simpósio Educação Matemática em Debate (vol. 1, pp. 266-278). Joinville: UDESC.

Viseu, F., & Ponte, J. P. (2012). A formação do professor de matemática, apoiada pelas TIC, no seu estágio pedagógico. Bolema, 26(42), 329-357.

Downloads

Publicado

2020-12-29

Como Citar

Santana, F. C. de, & Porto, M. F. P. e. (2020). Comunicação na sala de aula do PROFMAT e os princípios que regulam as produções textuais . Quadrante, 29(2), 68–85. Obtido de https://quadrante.apm.pt/index.php/quadrante/article/view/518

Edição

Secção

Vol. 29, n. 2 (2020): Comunicação no ensino e aprendizagem da Matemática